Buscar
  • José Carlos Pacheco Coimbra

Cervejas artesanais X Industrializadas: uma questão de Mercado (parte 2)

Por Alfeu Julio


Salvem amigos amantes das cervejas. Continuamos nosso papo da semana passada, no qual comentamos sobre o relativamente complexo cenário mercadológico e as dificuldades que se encontra para separar as cervejas realmente artesanais das fake artesanais (para usar um termo em moda no mundo da internet).


Como combinado, seguem aqui algumas dicas:


1) “BEBA LOCAL”. Esse conceito significa: prefira beber cervejas produzidas por cervejarias do seu bairro, da sua cidade ou na pior das hipóteses do seu estado. A bebida estará mais fresca e além disso você estará estimulando a economia da qual participa. Com certeza se uma cervejaria de sua cidade for incorporada por uma gigante multinacional do ramo a notícia se espalhará e chegará até você. É muito mais fácil você ter informações da bebida produzida próxima à sua casa!


2) Prefira cervejas que tenham produção conduzidas por um cervejeiro independente. Parece estranha essa dica? Mas o fato é que na maioria das fábricas gigantes (digo maioria porque claro, há exceções) quem manda é o capital. O cervejeiro não tem poder de escolha, sendo que a orientação da produção segue a lógica do capitalismo: maior retorno possível para o investimento realizado. A cerveja que você usualmente bebe é feita por um cervejeiro que tem livre escolha dos ingredientes e processos?


3) Leia o rótulo das garrafas e latas. Ali você vai encontrar quase todas as informações de que você precisa. “Antioxidantes” e “estabilizantes” são palavras pouco esperadas em uma cerveja realmente artesanal.


Nos Estados Unidos, onde o mercado está muito mais amadurecido, a Brewers Association tem definições claras para “Craft Beer”, inclusive com subdivisões para a categoria e uma ferramenta de busca, que visa a auxiliar o consumidor na hora de encontrar as cervejarias desejadas (https://www.brewersassociation.org/statistics/craft-brewer-defined/). A Associação desenvolveu também um selo de identificação (“Independent craft”), que ajuda o consumidor a identificar facilmente a procedência do líquido.


Por fim, gostaria de lembrar que todas essas questões são passíveis de discussão e debate; quanto mais isso acontecer, melhor será para o mercado. É claro que existem ótimas cervejas produzidas por gigantes do setor e também nano cervejarias produzindo coisa nem tão boa. O fato é que quanto mais estivermos conscientes do que está dentro de nosso copo, mais capacidade de apreciação teremos no momento de saborear a bebida. Aproveite preferencialmente ao lado de amigos queridos. Isso é o mais importante! Saúde!



2 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo